Minas sai fortalecido do Super 8 e busca melhor segundo turno no NBB para chegar forte aos playoffs

Tyrone e Alex são peças importantes do Minas (Foto: Marcos Limonti/Franca)
Tyrone e Alex são peças importantes do Minas (Foto: Marcos Limonti/Franca)

O Minas foi eliminado da Copa Super 8 na fase semifinal nessa terça-feira, ao ser derrotado pelo Franca por 83 a 79, no Pedrocão, na cidade do interior paulista. A equipe comandada pelo técnico Leo Costa teve boas atuações nas duas partidas que fez no torneio (o time bateu o São Paulo, no último sábado, pelas quartas de final, no Morumbi, na capital) e saiu fortalecido da copa.

CLIQUE AQUI PARA ASSINAR O DAZN E ASSISTIR AOS JOGOS DO NBB, DA EUROLIGA E DA CHAMPIONS LEAGUE AMÉRICAS

Alguns pontos são para destacar o fortalecimento da equipe minas-tenista na metade da temporada. Primeiro, os resultados: o Minas conseguiu uma categórica vitória sobre o São Paulo, terceiro da fase classificatória do NBB, por 14 pontos de vantagem e sem sofrer maiores sustos.

Contra o Franca, vice-líder do NBB e atual vice-campeão do Campeonato Paulista, do NBB e do próprio Super 8, o Minas chegou a estar perdendo por 19 pontos, mas cortou a vantagem dos mandantes para um ponto. Entretanto, não conseguiu confirmar a virada e foi batido.

Leo Costa encontrou a forma de utilizar o ala-armador Brent Jackson Jr., especialista nos chutes de três pontos. Nos dois jogos do Super 8, ele somou 35 pontos. O ala-pivô Tyrone Curnell, que vinha de jogos modestos, começou a pontuar mais e anotou duplos-duplos nas últimas duas partidas. O pivô Devon Scott e o ala Alex Garcia seguiram com a constância que apresentaram até então e com ótimas atuações.

O pivô Shilton também suportou bem quando acionado, uma vez que a equipe não podia contar com o ala-pivô Leron Black. Ele chegou ao clube com o prazo de inscrição para o Super 8 encerrado, o que acabou limitando a rotação do time.

Por outro lado, o armador Davi Rossetto e o ala Gui Deodato, este cestinha contra o São Paulo junto de Jackson Jr. com 18 pontos, ainda se mostraram um pouco inconstantes, principalmente em momentos chave do jogo contra o Franca. O ala-armador Alexei Patrício pouco contribuiu vindo do banco. Outros bancários, os jovens Felipe Queirós, ala-pivô, e Gui Carvalho, ala convocado para a Seleção Brasileira nessa terça, não tiveram chance de entrar em quadra.

Outro fator que mostra o bom papel do Minas foi o desfalque do ala-armador Leandrinho, que faz sua melhor temporada desde o retorno definitivo ao Brasil. Desde a vitória sobre o Corinthians, em 21 de dezembro, ele está vetado por uma contratura na região lombar. No jogo contra o São Paulo, ele viu a partida do banco de reservas. Já contra o Franca, o jogador, que foi um francano na temporada 2017/2018, preferiu acompanhar o jogo de outro local do Pedrocão.

Na temporada, contando somente jogos oficiais, o Minas atuou 17 vezes, somando dez vitórias e sete derrotas. O reformulado time, que tem somente Leandrinho como remanescente da última temporada, tem um claro objetivo: chegar afinado aos playoffs do NBB, que tem início em meados de abril. Para isso, o time precisa, pelo menos, terminar entre os 12 primeiros.

A equipe é a sexta colocada do NBB e ainda não ultrapassou a barreira de quatro vitórias seguidas na temporada, tendo emendado uma sequência positiva de três triunfos em três oportunidades. Os minas-tenistas agora enfrentam o 16º e lanterna Pato, na próxima quarta-feira, às 20h, na Arena Minas Tênis Clube, em Belo Horizonte, pela 12ª semana da fase classificatória da liga nacional. A partida terá transmissão do DAZN (clique aqui para assinar o serviço).

“O time levou um tempo a mais para entrosar. Mas nos últimos jogos a gente vem jogando bem, mesmo com a ausência do Leandrinho, que faz muita falta e é o cestinha da equipe. A gente vem crescendo durante a temporada, a gente vem com esse entrosamento. Hoje, a nossa equipe está muito fortalecida, o Brent (Jackson Jr.) já vem dois, três jogos encaixando na nossa equipe também. É dar sequência, saber que nossa equipe, quando começa da defesa do ataque é difícil de ser batida, já provamos isso algumas vezes, e tem que começar por aí”, analisou Alex, capitão do Minas, em entrevista à transmissão oficial do NBB.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *