NBA: o que esperar dos brasileiros na Summer League

Na estreia na Summer League da Califórnia, Gui Santos anotou 23 pontos (Foto: Divulgação/Golden State Warriors)
Na estreia na Summer League da Califórnia, Gui Santos anotou 23 pontos (Foto: Divulgação/Golden State Warriors)

Começa nesta quinta-feira a Summer League de Las Vegas, o maior dos mini torneios de pré-temporada da NBA – voltados para atletas jovens, pouco utilizados pelas equipes ou outros que buscam espaço na liga. Teremos cinco brasileiros em quadra, todos com o mesmo sonho: atuar no melhor basquete do mundo. Mas as vias são diferentes.

O primeiro deles é o mais badalado: o ala-armador Gui Santos, escolhido pelo atual campeão Golden State Warriors na 55ª posição do Draft de 2022. O jogador de 20 anos teve boas atuações nos três jogos da Summer League da Califórnia, entre 2 e 5 de julho, e já chamou atenção. Contudo, o ex-jogador do Minas precisa seguir o trabalho para garantir o contrato com o Warriors.

A expectativa é de que Gui Santos permaneça no Warriors, resta saber sob quais condições – se será emprestado para equipes de fora da NBA, se disputará a liga de desenvolvimento da NBA (a G-League, que ocorre simultaneamente à temporada regular) ou se vai mesclar entre G-League e NBA. Atuar somente na NBA não é um cenário plausível no momento para o jovem, que ainda precisa desenvolver.

Outro jogador é o ala-armador Didi Louzada, de 23 anos. O jogador está no Portland Trail Blazers desde fevereiro e tem contrato com a equipe, mas busca espaço no time titular. O caso de Didi é mais “simples”: mostrar serviço para ter mais tempo de quadra no melhor basquete do mundo e se firmar como um atleta de rotação.

Veterano de NBA, Bruno Caboclo tenta um retorno à liga. O ala-pivô de 26 anos foi draftado em 2014 na 20ª escolha e ficou na liga, alternando com a G-League até 2021, quando foi dispensado por Houston Rockets – após passar por Toronto Raptors, Sacramento Kings e Memphis Grizzlies.

Agora, Caboclo vai compor o time do Utah Jazz na Summer League. Antes da Summer League de Vegas, o jogador disputou o mini-torneio de Salt Lake City. Sua estreia foi nessa quarta-feira, na derrota por 86 a 82 para o Philadelphia 76ers, mas o jogador teve boa atuação, com 16 pontos, seis rebotes e duas assistências.

Após ser dominante na temporada 2021/2022 pelo São Paulo, Caboclo espera voltar à NBA pela porta da frente. Caso isso não aconteça, penso que uma equipe de alto escalão da Europa seja possível ao brasileiro de 26 anos.

Os outros dois brasileiros são incógnitas. O primeiro é o pivô Timothy Soares, de 25 anos. Ele teve formação no basquete universitário estadunidense e tem duas temporadas como profissional: uma na Turquia e a última em Israel. Ele, que não foi draftado em 2020, tenta entrar na NBA ou conseguir maior projeção internacional. O jogador vai defender o Milwaukee Bucks.

Já o quinto da lista é o ala Leo Meindl. Aos 29 anos, o jogador não foi draftado em 2015 e, após boas temporadas na Espanha defendendo o Fuenlabrada, tenta uma possível “última cartada” para entrar na NBA. Ele vai defender o Phoenix Suns na Summer League. Mesma situação que a de Tim: na pior das hipóteses, o atlético ala tentará ganhar mais exposição internacional.

Todos os citados acima são atletas de nível Seleção Brasileira. Alguns jogos da Summer League de Vegas terão transmissão da ESPN no Brasil.

Brasileiros na NBA em 2022/2023

A Summer League de Vegas vai até 17 de julho. Na temporada 2022/2023 da NBA, até então somente dois brasileiros estão garantidos: Didi, já citado, e o armador Raulzinho, já solidificado como atleta do melhor basquete do mundo. Raul Neto está na liga desde 2015 e, após dois anos no Washington Wizards, assinou por uma temporada com o Cleveland Cavaliers.